Kyoto com bebê

7 dias em Kyoto com o Chico!

Antes de chegar lá achei que seriam dias mais tranquilos, de turismo mais lento, bom pra nos recuperar do agito da semana anterior em Tóquio.

Mas Kyoto tem tantos lugares incríveis pra se visitar, que arrisco dizer que nossa passagem por lá foi mais agitada que na capital!

Entre templos e santuários são pelo menos 2.000! Fora os parques e distritos interessantíssimos e imperdíveis!

E assim selecionamos com cuidado nosso roteiro, buscando equilibrar uma certa tranquilidade pro Chico com a nossa vontade de conhecer tudo e bater perna o dia inteiro, mergulhando na cultura local!

HOSPEDAGEM
Tatami de palha no chão do nosso apartamento em Kyoto
Tatami de palha no chão do nosso apartamento em Kyoto

O apartamento que alugamos (via AirBnb) era pequeno, decorado bem no estilo japonês, com tatami de palha na sala e no quarto, e sem cama! Dormimos em futons sobre o tatami! Eu e o Rafa sentimos um certo desconforto, mas o Chico aparentemente não, ele dormiu bem todos os dias.

O tatami no chão da casa quase inteira para o Chico foi excelente! Ele está na fase de cair a todo momento enquanto se aventura pelos ambientes, então esse sistema de amortecimento ajudou algumas vezes!

A cozinha era minúscula, velha, e só tinha um fogão elétrico com uma boca e uma única panela!! E a mesa de jantar era no chão da sala, com almofadas no lugar de cadeiras. Mais uma diversão para o Chico, e mais uma adaptação para os pais!

Mas o que mais dificultou mesmo foi o fato do apartamento ficar no bairro de Kita, que é muito longe do centro e da Kyoto Station – ficava a pelo menos 40 minutos de ônibus! E quase todos os dias precisávamos ir até a estação para seguir para outros destinos…

O bairro era bonito, com vários templos e santuários interessantes por perto, supermercados, lojas, mas a distância do centro não compensava. O melhor mesmo aqui é se hospedar o mais próximo possível da Kyoto Station, facilita muito a vida e economiza um bom tempo de movimentação!

ALIMENTAÇÃO
image
Meu mini-fogão e minha única panela cozinhando um molhinho de tomate caseiro!

Tive que fazer quase um milagre pra conseguir cozinhar na minha cozinha de uma única boca e uma única panela, mas fiz jantar todos os dias e o Chico comeu bem a semana toda que passamos aqui.

Os ingredientes que encontramos no supermercado eram bem conhecidos, e mantive a base da comida caseira japonesa, que é composta de legumes, cogumelos, peixes, noodles e arroz. Incluí batata doce e abóbora japonesa no cardápio, que encontrei com facilidade e o Chico adora.

Assim como em Tóquio, toda noite eu fazia o jantar para mim e para o Rafa e já separava as “marmitinhas” do Chico com almoço e jantar do dia seguinte. Tudo organizado e fácil, e super prático para os passeios!

Como tinha só uma panela que não era muito grande, tinha que cozinhar os ingredientes em etapas, e acabei começando a fazer para o Chico uma “versão baby” do Escondidinho. Prático e fácil!! Não é exatamente uma receita, mas uma forma de montar os ingredientes que ficou interessante e o Chico adorou!

CLIMA

Pegamos um clima perfeito para passear o dia todo, todos os dias!! Final de verão no Japão é uma da melhores épocas para se visitar o país, especialmente com bebês e crianças pequenas! Só pegamos chuva no dia em que chegamos.

Se você não fizer questão de ir na época das cerejeiras em flor (Maio), Setembro é o mês!

ACESSIBILIDADE E ESTRUTURA

Kyoto é nota dez nestes dois pontos!

Rafa e Chico na Casa de Chá de Rokuon-ji (Golden Pavillion)
Rafa e Chico na Casa de Chá de Rokuon-ji (Golden Pavillion)

Acessibilidade total, para andar de carrinho, de sling, do jeito que você achar melhor! Os ônibus são preparados para subir com carrinhos de bebê, e as pessoas respeitam os assentos preferenciais sempre. Eu mal subia e alguém já se levantava para eu sentar com o Chico!

Estrutura também impecável, mercados, farmácias, lojas de tudo que você precisar, banheiros com trocador de bebê nos lugares públicos e turísticos, e parques lindos para levar seu pequeno (Maruyama e Palácio Imperial são imperdíveis!).

Vi muitas pessoas visitando a cidade com bebês e crianças pequenas, fiquei impressionada!!

E apesar de Kyoto ser uma cidade grande, é uma cidade muito tranquila e fácil de se movimentar, e as pessoas são muito gentis!

TRANSPORTE

Fomos até Kyoto a partir de Tóquio, de shinkansen (nome dado aqui ao trem bala), e este trecho demorou 2,5 horas. Estes trens são super confortáveis, com poltronas espaçosas e banheiros com trocador para bebês. Excelentes!!

Compramos o Japan Rail Pass (JR Pass), no consulado do Japão em São Paulo para 14 dias, que era o melhor período para nosso roteiro no Japão. Comprando no próprio consulado tivemos um bom desconto neste passe, que vale muito a pena se você pretende circular por diversas cidades japonesas em sua viagem!

Ônibus em Kyoto
Ônibus em Kyoto, e Chico mamando o tempo todo!

O JR Pass dá direito a andar em todos os meios de transporte públicos administrados pela empresa JR, no país todo. Metrôs, trens, shinkansens e até balsa. Foi, sem dúvida, o melhor sistema de transporte público que conheci!

E todos os dias aqui andamos de ônibus e trem. E todos os trens que pegamos eram JR, ou seja, estavam incluídos no passe!

Uma coisa fantástica aqui é a pontualidade dos meios de transporte! Realmente é incrível que a placa diga que o ônibus vai chegar as 10:27h, e ele chegar exatamente as 10:27h!! E, como se não bastasse, os motoristas são absurdamente educados e simpáticos!

PASSEIOS
Templo Kitano Tenmagu
Entrada principal do Templo Kitano Tenmagu
Outra visão do Templo Kitano Tenmagu
Outra visão do Templo Kitano Tenmagu

Montamos todo nosso roteiro em Kyoto usando o excelente site japan-guide.com!

Soninho da manhã no Golden Pavillion
Soninho da manhã no Golden Pavillion

Exploramos a pé o bairro onde estávamos hospedados (Kita-ku, no norte de Kyoto), que possui diversos templos interessantíssimos, como o Kitano Tenmagu, o Hirano Shrine, o pequeno Wara Tenjin Shrine e o famoso e super turístico Rokuon-ji, também conhecido como Golden Pavillion, que fica em um parque chamado Kinkaju-ji. Este último é todo dourado, e fica na beira de um lago, é um cenário lindo!

Na região central de Kyoto fomos ao bairro Gion, onde viviam muitas gueixas no passado e onde encontramos muitas mulheres vestidas com roupas tradicionais de gueixas.

Chico com uma mulher trajando roupas tradicionais japonesas, como as antigas gueixas, em Gion
Chico com uma mulher trajando roupas tradicionais japonesas, como as antigas gueixas, em Gion
Maruyama Park
Maruyama Park

Alí perto conhecemos o templo budista Kennin-ji, que fica no miolinho de Gion, e o Yasaka Shrine (santuário xintoísta), na entrada do parque Maruyama.

Este parque é lindo, enorme, bem estilo jardim japonês, vale muito a pena conhecer e levar os kids para passear e brincar!!

Bem ao lado deste parque ficam os templos Chion-in e Shore-in, porém não entramos em nenhum pois ambos já estavam fechados no dia em que passamos por lá.

Templo Kiyomizu-dera
Templo Kiyomizu-dera

Pertinho do centro fica o bairro de Higaishyama, que tem uma ladeira muito legal cheia de lojinhas de coisinhas para casa e souvenirs, chamada Miasudera. A ladeira é íngreme, então é bom preparar o fôlego para subir com o bebê no colo ou empurrando o carrinho! Lá em cima fica o templo Kiyomizu-dera, que é lindo e vale o esforço da subida!

Um pouco mais ao norte está o Palácio Imperial de Kyoto, que fica em um parque lindo! Um lugar incrível para passear com as crianças, tem muito espaço, muita área verde e é tudo extremamente bem cuidado! Este parque realmente é imperdível!! Fomos lá somente no último dia, mas gostaria de ter ido antes para poder repetir o passeio, pois o Chico aproveitou muito!!

Parque do Palácio Imperial de Kyoto
Parque do Palácio Imperial de Kyoto

Em alguns bairros um pouco mais distantes e nas cidades nos arredores de Kyoto também têm muito o que conhecer!!

Senbon Torris, no Fushimi Inari Shrine
Senbon Torris, no Fushimi Inari Shrine

Vale muito a pena pegar um trem na Kyoto Station e conhecer Inari, onde fica o Fushimi Inari Shrine com seu “Senbon Toriis”, que são milhares de toriis vermelhos-alaranjados que formam um caminho kilométrico chamado de “transição para o sagrado”. E são milhares mesmo, um em frente ao outro, formando um dos cenários mais bonitos que já vi! Você vai caminhando montanha acima sob os toriis, no meio de uma paisagem incrível! Não chegamos até o topo, onde fica outro shrine (a subida é bem íngreme!), mas já adoramos o que vimos e saímos encantados! E lá almoçamos em um restaurante maravilhoso, o Machiya Zuzu Tofoods, vegano com pratos baseados em tofu, muito surpreendente!!

Castelo de Himeji
Castelo de Himeji

Na cidade de Himeji, a 1,5 horas de Kyoto, fica o famoso Castelo de Himeji, o maior e mais visitado castelo do Japão! Não conseguimos entrar porque a fila estava gigante, 2,5 horas de espera (impossível com o Chico esperar tudo isso!), então aqui vale a pena ir bem cedo para não pegar fila. Ao lado do castelo fica um zoológico, que, apesar do Chico ter ficado interessado nos animais, não gostamos. As jaulas dos animais eram muito pequenas para o tamanho deles, e achei que todos estavam nitidamente entediados e apáticos, e consequentemente estressados.

E a outra cidade que vale muito, mas muito mesmo conhecer é Nara. São 50 minutos de trem (JR) até lá, e mais um ônibus de 20 minutos até a região dos templos.

Eu e Chico na entrada do Templo Todai-ji
Eu e Chico na entrada do Templo Todai-ji
Todai-ji, depois do primeiro portão. Lá dentro fica o Bucha Hall, com a estátua de 15m de Budha
Todai-ji, depois do primeiro portão. Lá dentro fica o Bucha Hall, com a estátua de 15m de Budha
Chico encantado com os veados do Nara Park
Chico encantado com os veados do Nara Park

Em Nara fomos ao parque Yoshikien, lindíssimo e muito bem preservado – lugar tranquilo e ótimo para dar almoço pro Chico! Fomos também aos templos Todaiji, que é do ano de 752, e é considerado a maior construção em madeira do mundo (e deve ser mesmo, porque é muito grande!). Lá dentro do templo fica uma estátua de 15m de altura de Budha, tão linda que te faz perder o fôlego quando você entra no espaço.

Na saída deste templo caminhamos pelo Nara Park, onde ficam vários veados iguaizinhos ao Bambi, que o Chico amou!! São muito fofos, eles estão super acostumados com as pessoas (porque elas dão comida, claro…), e chegam muito perto! Na verdade são vendidas umas bolachas especiais para as pessoas alimentarem os animais, mas não compramos.

Templo Kokufuji, com sua pagoda de 1.300 anos
Templo Kokufuji, com sua pagoda de 1.300 anos

Fomos ainda aos templos Kokufuji, que tem mais de 1.300 anos, e Gango-ji, que foi o primeiro templo budista do Japão, construido em 538! Este último templo foi, de longe, o mais simples e menos pomposo que conheci, e (também de longe) o que mais gostei!! Senti lá a pureza da essência do budismo! E o casal que toma conta do templo, e que mora lá, ficou brincando muito tempo com o Chico, e ainda nos falaram vários detalhes do templo e do país também.

Chico brincando no Templo Gango-ji, o mais antigo do Japão
Chico brincando no Templo Gango-ji, o mais antigo do Japão
E PRA CONCLUIR…

O Chico embarcou com a gente em uma imersão na antiga capital do império japonês!

Seus pequenos olhinhos viram rituais em templos e santuários, e sentiram as boas energias desses lugares sagrados… seus pezinhos pisaram em tatamis de palha ao acordar, depois de ter dormido sobre futons… seus dedinhos brincaram com as pedrinhas no chão dos parques e com os hashis tentando pegar um pouco de arroz, pra no final concluir que o mais fácil mesmo é comer direto com as mãos…

Até tirou uma casquinha da rotina matinal de tomar café da manhã em uma das diversas boulangeries espalhadas por Kyoto, aproveitando pra provar pães no melhor estilo francês em pleno Japão!

Essas pequenas experiências nos fizeram aprender a viver um pouquinho como vivem os japoneses!

Para mais detalhes de nossa viagem a Kyoto, contamos tudo aqui!

Próxima parada: Hiroshima!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *