Los Roques com bebê

Los Roques com bebê? Sí, se puede!

Los Roques é um arquipélago na Venezuela, no mar do Caribe. Um paraíso rústico, polêmico e maravilhoso…

Todo o azul que Los Roques tem a oferecer...
Todo o azul que Los Roques tem a oferecer…

Sim, inacreditavelmente maravilhoso! Você demora para acreditar e ter certeza que está diante de tanta beleza… Dá vontade de ficar o dia todo na água só para estar em contato físico com todo aquele azul e absorver um pouco daquela paz…

E sim, polêmico, por causa da escassez generalizada que a Venezuela se encontra, do colapso absoluto de sua economia, da falta de estrutura do local e até mesmo pelo sol muito forte para bebês… Antes de embarcar para lá recebi mil recomendações para não ir com o Chico! Inclusive do dono da pousada que ficamos!… Estas recomendações são pertinentes de fato, algumas precauções extras precisam ser tomadas aqui, mas, estando preparado, vale muito a pena levar seu pequeno pra lá!!! J

Los Roques possui mais de 300 ilhas, mas somente umas 30 são visitáveis. A ilha de Gran Roque é a base do arquipélago, e a única a ter alguma infraestrutura para moradores e turistas. Pousadas são muitas, mas conseguir se comunicar com elas é difícil e dá trabalho: é tudo por email ou telefone e precisa insistir até que resolvam te responder. Ou fazer tudo através de uma agência de turismo, o que é mais caro mas obviamente quase não te dá trabalho. Nós optamos por fazer toda a viagem por conta própria, como sempre, e deu tudo super certo!

Chico brincando com nossa cava (o que sobrou dela!) em Crasquí
Chico brincando com nossa cava (o que sobrou dela!) em Crasquí

O esquema turístico aqui é assim: na noite anterior você escolhe a ilha que gostaria de conhecer no dia seguinte, e reserva sua cava (um isopor que as pousadas preparam com comes e bebes para as pessoas passarem o dia nas diferentes ilhotas, já que quase nenhuma possui opção de restaurante ou bar). No dia seguinte é só acordar, checar se a ilha está confirmada (em função das condições do mar, da disponibilidade dos barqueiros e do combustível para os barcos – caso contrário era só escolher outra ilha), e seguir até a beirinha da praia, pegar o barco e curtir o dia no seu mini-paraíso quase particular…

Barquinho nas águas de Los Roques
HOSPEDAGEM
Pousada Piano y Papaya
Pousada Piano y Papaya

Ficamos na Pousada Piano y Papaya, quase em frente a praia de Gran Roques, pé na areia como tudo aqui!.

A pousada era no esquema bed&breakfast, super charmosa, limpíssima, com quarto simples, ar condicionado, chuveiro frio e pouca água (a água é racionada na ilha), e sem bercinho para o Chico. Dormimos os três juntinhos e apertadinhos em uma cama de casal tamanho normal.

É importante ter em mente que luxo é inexistente na ilha, a estrutura é rústica e simples em todas as pousadas, até nas mais caras. Não espere nada, nem de muito longe, da estrutura de um hotel/resort a beira-mar que se encontra em outros lugares do Caribe e do mundo. E para nós este é um dos grandes pontos positivos de Los Roques!

Uma coisa interessante foi que logo no momento que pisamos na pousada, tomamos um “sermão” da África, a gerente linha dura mas fofíssima, de coração gigante! Ela nos disse um milhão de vezes para tomarmos muito cuidado com o sol, especialmente por causa do Chico, usar muita proteção e tomar muita água! E repetiu que Los Roques não é para bebês, como já nos haviam dito nos e-mails trocados para a reserva do lugar!!! Imagina a nossa cara sentadinhos no sofá tomando bronca… O bom desta bronca foi que redobramos a atenção com o sol!

Piano y papaya por dentro
Piano y papaya por dentro

Recomendamos muito a Piano y Papaya, parece uma casa de praia com amigos, simples, rústica e com um ambiente muito gostoso, super bem decorada e tem ótimo custo-benefício – e claro, tem a nossa querida África, uma das maiores figuras que você pode conhecer na vida! E que no final já estava apaixonada pelo Chico e revendo seus conceitos sobre bebês em Los Roques, pois nossa estadia lá foi muito tranquila!

ALIMENTAÇÃO

Em Los Roques não é possível se hospedar em algum local que tenha cozinha disponível para preparar a alimentação do Chico, então dependíamos da pousada e dos restaurantes da ilha. Dá para combinar com a pousada algum cardápio mais adaptado ao bebê, mas não é garantia de que tenha exatamente o que você gostaria, pois aqui, assim como na Venezuela inteira, existe escassez de praticamente tudo! Arroz, feijão, banana, maçã, verduras, farinha, macarrão, batata… Comida não falta, o que falta são opções! A gente come “o que tem pra hoje”!

Bora La Mar
Bora La Mar, uma das boas opções de restaurante em Los Roques

Tem uma única exceção: peixe! Fresquíssimo, pescado quase na hora em que é servido, sempre bem feito, grelhadinho ou ao forno e super saboroso! Essa foi a base da alimentação do Chico a semana toda (e a nossa). E como acompanhamento, o que tivesse disponível no dia!

No café da manhã as meninas da pousada caprichavam e conseguiam fazer milagres com essa escassez toda. Todos os dias os cafés foram ótimos, com pãezinhos feitos na hora, panquecas, arepas e ovos mexidos!

Durante o dia, em nossas cavas sempre tinha sanduiche ou wrap com pão feito em casa, salada, frios e frutas – sempre frescas, mas sem opção de escolha, era a fruta que tivesse no dia.

Aquarena
Aquarena, nosso preferido!

Para os finais de tarde admirando o por do sol e jantares pé na areia (e almoços, caso passe o dia em Gran Roque) recomendo o Bora la Mar e especialmente o Aquarena, lindo e excelente! Comemos lá quase todos os dias! O Aquarena tem um peixe grelhado ótimo, o Chico aprovou!

De resto, água, muita água!

E a amamentação, que mais uma vez nos salvou! O Chico teve diarreia nos últimos 3 dias da viagem, e apesar de ele ter ficado bem disposto e sem nenhum outro sintoma, o apetite sumiu! Nossa pediatra no Brasil receitou uma homeopatia que eu tinha levado na minha farmacinha (link para mala), mas mesmo assim fomos até o ótimo postinho de saúde da ilha – por desencargo de consciência e porque ficava na rua atrás da pousada.

Eu amamentando o Chico em Crasquí...
Eu amamentando o Chico em Crasquí…

De fato o Chico estava super bem, e era só seguir com muita hidratação e esperar o corpinho dele eliminar o que precisava ser eliminado. Segundo a médica que nos atendeu (super atenciosa), diarréias são comuns aqui por causa das moscas que pousam na comida, e por mais rápido que seja, já deixam toxinas – mais uma lição aprendida sobre a alimentação do Chico em viagens!

CLIMA
Nossa sombrinha em Sarquí
Chico dormindo no sling aproveitando nossa sombrinha em Sarquí

Los Roques é quente, muito quente! O sol é muito forte o dia todo! Mas com a proteção adequada isso não é um problema! E venta bastante também aqui, o que ajuda muito a refrescar!

E proteção adequada pro Chico foi: muito protetor (mínimo 60, e reaplicado sempre), chapéu, roupinha com proteção UV e um guarda-sol exclusivo pra ele!

Ficamos na praia o dia todo, todos os dias, e o Chico não teve absolutamente nenhum problema com o sol e o calor.

ACESSIBILIDADE E ESTRUTURA

Estrutura zero para bebês!!! Zero mesmo! Idem para acessibilidade! Mas ainda assim, eu garanto que vale a pena!

As ruas de areia fofa em Gran Roque
As ruas de areia fofa em Gran Roque

Carrinho é praticamente inútil pois as ruas são todas de areia fofa. Usamos só a noite quando o Chico dormia e saíamos pra jantar, mas tínhamos que carregar estilo “maca”.

Sling foi essencial nos passeios de barco pra proteção e segurança do Chico e também conforto meu e dele, pois eu não precisava ficar segurando.

Os restaurantes e bares não tem nem cadeirinha de bebê, trocador então…

Nas ilhas ao redor de Gran Roque, onde se passa o dia na praia, a estrutura é ainda mais precária, até para adultos! Algumas ilhas (as melhores!) não tem absolutamente nada! É só você, seu guarda-sol, sua cadeira e sua cava!

Chico brincando com seus potinhos
Chico brincando com seus potinhos

Ficávamos o dia todo na praia, então já saíamos de manhã com todo o necessário nas mochilas e na cava. Fraldas descartáveis, lencinho umedecido, trocador portátil (sempre carrego comigo um trocador daqueles que vem nas bolsas de bebê), fralda de pano (pra limpar ou secar o Chico, ou ainda cobrí-lo quando ele dorme), paninho de boca, toalha, bóia, camiseta UV, chapéu e brinquedinhos (quase não levamos brinquedos para o Chico, mas carrego sempre uns potinhos coloridos de encaixar que o Chico ama. E esses potinhos vão conosco pra praia, piscina, grama, parque…

Farmácia tem, mas praticamente não tem remédios… Mercado tem, mas praticamente não tem comida…

Fraldas descartáveis encontrei em uma vendinha, mas disseram que foi sorte porque segundo o povo que mora lá é muito difícil encontrar fraldas no país inteiro – juro, é nesse nível…  Então, por via das dúvidas, leve todas as fraldas necessárias para o seu bebê para o período todo que for ficar no país.

Precisei de protetor solar para o Chico e encontrei na farmácia, mas só tinha 1 unidade. Aliás a farmácia funciona mais como “banco” do que como farmácia mesmo… foi lá que trocamos dinheiro na ilha, no câmbio paralelo!

O único ponto positivo em relação à estrututa de Gran Roque foi o posto de saúde. O local era grande, bem estruturado, fomos atendidos na hora, de graça, por uma pediatra super simpática e muito atenciosa! Surpreendente!

TRANSPORTE

Só se chega a Los Roques passando por Caracas. Tivemos que pernoitar uma noite perto do aeroporto Maiquetia, e no dia seguinte cedo pegamos um vôo de teco-teco até Gran Roque, com a companhia aérea Chapi Air. Existe também outra empresa que voa até a ilha, a AeroTuy, que tem aviões um pouco maiores (quem viaja com equipamento de kitesurf ou qualquer outra bagagem grande só pode voar com esta empresa, porque nos aviõezinhos da Chapi não cabe!). Nossa escolha foi pela Chapi Air, por recomendação de amigos e por sabermos que a Aerotuy tem um histórico grande de atrasos e cancelamento de vôos, e não queríamos esse “problema anunciado” estando com o Chico.

Na hora do check in tivemos que migrar do aeroporto em que estávamos para o auxiliar, que era ao lado e ficava a 5 minutos de carro. Conseguimos uma carona com um casal de italianos que também estavam em nosso vôo, por sorte, porque o risco de ser assaltado era grande neste trecho se fôssemos caminhando (a situação da Venezuela está muito, muito complicada e triste).

Nosso teco-teco
Nosso teco-teco

A bagagem pertimida para os vôos (das duas companhias aéreas) é de 10kg por pessoa, incluindo a bagagem de mão! Para cada kg de excesso pagamos 1 dólar. Eles pesam até mesmo as pessoas para saber e controlar qual peso total terá no avião…

O vôo é bem rápido, 35 minutos, em um aviãozinho de 9 passageiros, e nos 10 minutos finais Los Roques já se apresenta em grande estilo… Você esquece que está em um teco-teco e não consegue parar de olhar para baixo, de tão surreal que é a beleza…

E uma vez em Gran Roque, só se anda a pé ou de barco!

Los Roques - vista do avião
Los Roques – vista do avião
PASSEIOS
Cayo de Agua
Cayo de Agua

Praia!!! Muita praia!!! Só praia na verdade!! Mas que praias… As mais lindas, mais azuis, mais calmas, mais inacreditáveis… Perfeitas pra crianças e bebês, porque são verdadeiras piscinas!!! Nenhuma onda, nenhuminha sequer, nem marola!

O bebê estando protegido do sol, a praia fica absolutamente perfeita! E é bom reforçar: protetor no mínimo 60, roupinhas com proteção UV, chapéu, e um guarda-sol exclusivo para ele. Lembre-se que você vai ficar o dia todo na praia, sem sombra, até o horário de retorno

Crasquí
Crasquí

que for combinado com o barqueiro! Tem que pagar pelo guardas-sóis extras, mas é muito barato e foi o que nos salvou! E mesmo tendo que pagar tem que insistir pro barqueiro levar um a mais pra vc! Insistir muito!

Em Los Roques existem um pouco mais de 30 ilhas visitáveis, em distâncias que variam de 5 minutos a 1 hora de barco a partir de Gran Roque. As duas que mais gostamos foram Cayo de Agua (a mais maravilhosa, cartão-postal daqui, inacreditável e imperdível), que fica a 1 hora, e Crasqui, que fica a uns 25-30 minutos.

Cayo de Agua
Cayo de Agua
Crasquí
Crasquí
Noronquí
Noronquí
Francisquí
Francisquí

Os barcos são pequenas lanchas, cobertas e rápidas! A África (gerente da nossa pousada que organizava todos os passeios pra gente) sempre avisava ao barqueiro que precisava ir mais devagar porque eu estava com um bebê, e eu reforçava! E todos os trajetos foram tranquilos pro Chico! Eu o colocava no sling, então ele ia presinho e grudado em mim, eu sentava no barco e ele já pedia pra mamar e capotava com o balanço do mar! Ele dormiu todas as vezes!! E os horários dos barcos eram perfeitamente encaixados com a rotina de sono do Chico! De manhã 09:30h e a tarde entre 15-16h! Perfeito!!!

Mesmo no trecho mais forte que pegamos, de mar aberto e batido com ondas grandes que me molharam inteira (entre Cayo de Agua e Carenero), ele dormiu, protegido com uma toalha pra não se molhar.

Mas com bebês ou crianças pequenas tem que evitar as ilhas mais distantes se o mar estiver batido. Os trechos de mar aberto podem estar muito fortes! A gente saiu pra Cayo de Agua com o mar super calmo (tanto que a ida foi muito tranquila), mas o vento virou a tarde e este trecho da volta foi mais tenso, com muitos solavancos.

Na volta da praia, a tardezinha, o por do sol em Gran Roque é um evento! E nosso programa favorito era assistir esse espetáculo tomando um mojito no Bora La Mar. Mas o Aquarena (nosso restaurante favorito da ilha) também é sempre uma ótima pedida, em qualquer ocasião.

Por do sol visto do Bora la Mar
Por do sol visto do Bora la Mar
ou se você preferir, do Aquarena...
ou se você preferir, do Aquarena…
E PRA CONCLUIR…

Definitivamente Los Roques não é um lugar preparado para receber bebês e crianças pequenas, mas é perfeitamente possível e delicioso passar lindos dias aqui com eles. E se você quiser fazer uma viagem linda, interessantíssima, relativamente barata, para ver algumas das praias mais espetaculares do planeta, com uma boa pitada de aventura, esse é o lugar!!

Para mais detalhes de nossa viagem a Los Roques, contamos tudo aqui!

Se você está planejando uma viagem a este paraíso com seu bebê, ou mesmo sem, recomendo muito que você leia o texto do VivaBossa! Existem detalhes muito específicos deste destino que faz muita diferença saber antes e já ir bem preparado.

Próxima parada: Tóquio!

Um comentário em “Los Roques com bebê? Sí, se puede!”

  1. Oi Tati, Rafa e Chico!
    Soube de vocês através da Dra. Eliana Paiva (acho que vocês a conhecem muito bem, rsrs)… ela é pediatra do João Pedro, meu filho de 9 meses!
    Eu e meu marido tiraremos 20 dias de férias no final de agosto, quando o JP estará prestes a completar 1 ano.
    Gostaríamos de ficar de 7 a 10 dias viajando com ele. Vimos alguns lugares com base em algumas premissas: vôos não muito longos (JP já viajou conosco dentro do Brasil, mas o mais longo foi de 3 horas e não queremos judiá-lo com trechos de 10, 12 horas), fugir de temperaturas extremas, lugar que não tenha risco de doenças (tipo a malária), que não seja época de fenômenos naturais. Pelas nossas pesquisas, estamos tendenciosos a viajar por Bogotá/Cartagena/San Andres. Vi seus comentários sobre estas três paradas e queria conversar um pouco mais sobre esses destinos ou, ainda, se vocês indicam outro lugar como opção.
    Também pensamos em Havana/Varadero, mas vi que esta é a época de chuvas e furacões na região.

    Se quiserem, podemos falar por email ou whatsapp.

    Estou adorando as postagens… realmente provam que é possível viajar com bebê e se divertir muito.

    Um abraço,

    Érica

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *