Tóquio com bebê

E chegou a hora de começar nossa segunda etapa da viagem de volta ao mundo: Ásia e Oceania!! Nosso plano é viajar por 3,5 meses por esta parte do planeta!

Nosso primeiro destino foi o Japão, onde passamos 3 semanas: 1 semana em Tóquio, 1 semana em Kyoto, 3 dias em Hiroshima e 3 dias em Kanazawa.

Começando então com Tóquio!

Escultura em frente ao Teatro Aoyama, em Shibuya
Escultura em frente ao Teatro Aoyama, em Shibuya

Tóquio é uma cidade fantástica, não só para adultos mas também para levar seu bebê! A metrópole mais populosa do mundo, com estações de trem e metrô que são quase do tamanho de um bairro, lojas de absolutamente tudo, santuários espalhados pela cidade, e uma organização e uma limpeza sem precedentes! E a educação das pessoas??? E a segurança??? É de cair o queixo o quão civilizada uma sociedade pode ser…

Os japoneses em geral foram extremamente respeitosos com o Chico, sempre que queriam interagir com ele me perguntavam com a maior educação se podiam brincar com ele, ou tirar foto, ou segurar… E eles tiraram muitas fotos dele!

Uma surpresa para nós foi que quase ninguém fala inglês! Por isso muitas conversas foram na base da mímica, mas a gente se entendeu muito bem e a comunicação funcionou sempre!

E incrivelmente tudo funciona aqui!! Mesmo com milhões de pessoas na rua, mesmo no cruzamento mais movimentado do mundo, em Shibuya, mesmo na estação de trem com mais de 3 milhões de pessoas por dia… tudo flui! Os japoneses em geral pensam muito mais na coletividade do que em si próprios, e por isso tudo fica harmônico.

E nada como um ambiente harmônico, seguro, limpo e civilizado para você estar com seu bebê!

Avenida ao lado do parque Yoyogi
Avenida ao lado do parque Yoyogi
HOSPEDAGEM

Ficamos hospedados em um apartamento alugado via AirBnb. Nosso plano é ficar sempre que possível em casas alugadas, pois, além de acharmos muito mais interessante do que ficar em hotéis, esta é a melhor forma para viajar com bebês!  Ter nossa própria cozinha é essencial!

Nosso apartamento em Shibuya
Nosso apartamento em Shibuya

Nosso apartamento era excelente, muito bonitinho, pequeno (mas para os padrões japoneses o tamanho era ótimo) e super funcional! Era basicamente quarto, banheiro, sala e cozinha (que eram uma coisa só)! E cama compartilhada com o Chico!

E, embora ficasse no bairro de Shibuya, um dos lugares mais movimentados e cheios de Tóquio, era silencioso e ficava em uma ruazinha muito tranquila!

E um dos melhores hábitos das pessoas do Japão é que ninguém entra de sapato em casa! Não só em casa, mas também em alguns estabelecimentos públicos (restaurantes, bares, lojas)! Eu amei esse costume, a casa ficava limpíssima e o Chico podia brincar a vontade no chão! (Pensando seriamente em adotar esse hábito no Brasil…)

ALIMENTAÇÃO

Como eu tinha minha própria cozinha no apartamento, a alimentação do Chico foi muito tranquila!

Supermercado em Tóquio
Supermercado em Tóquio

No primeiro dia em Tóquio fomos ao supermercado e já compramos comida para quase a semana toda! Tinham algumas coisas que eu não conhecia, mas em geral os ingredientes são os mesmos que temos no Brasil. Achamos a comida cara, especialmente frutas! Então fui contida nas frutas e abusei dos legumes que estavam mais baratos!

Ir ao supermercado quando se está viajando para mim não tem preço, é uma forma tão especial e rápida de mergulhar na cultura local, que acaba sendo um super programa turístico! Você vê quais ingredientes os moradores da cidade estão comprando, imagina o que irão cozinhar para o jantar, e consegue entender um pouco dos hábitos alimentares da população! Assim fica muito mais fácil montar seu próprio cardápio!

E só por esta observação já vimos que a base da comida caseira no Japão é legumes, vegetais, cogumelos, peixes, noodles e arroz.

Uma “regra” que sempre temos em mente é “No país das batatas, coma batatas”. Portanto não tive dúvida, e montei meu carrinho exatamente desse jeito! Cozinhando como os “locais” você tem muito mais chance de comer ingredientes mais frescos e mais baratos!

E esta base garantiu nossa tranquilidade a semana toda! Toda noite eu fazia o jantar para mim e para o Rafa e já separava as “marmitinhas” do Chico com almoço e jantar do dia seguinte. Tudo organizado e simples!

De manhã era só colocar os potinhos com as refeições em uma bolsinha térmica, junto com as frutas, guardanapos (vários!), água e pronto! Tudo na mochila, e podíamos passar o dia todo fora que a alimentação dele estava garantida!

Ah, um detalhe importante: eu sempre levo potinhos plásticos vazios na minha bagagem, justamente para colocar as comidinhas que eu preparo com antecedência. E bolsa térmica, claro, assim a comida fica sempre mais fresquinha e aguenta mais tempo fora da geladeira! E o Chico está acostumado a comer comida fria mesmo, então chegou a hora do almoço é só procurar uma sombra e armar o mini-picnic!

E a amamentação segue firme e forte, em qualquer hora e qualquer lugar!

CLIMA

Fomos em Setembro para o Tóquio, fim do verão no hemisfério norte, e o clima estava excelente! Choveu um dia só, e em todos os outros a temperatura era ótima, amena, perfeita para passearmos o dia todo com o Chico!

Mas, mesmo com a perfeição do clima, uma pequena surpresa nos esperava… nada mais nada menos que um terremoto!

Em um determinado dia acordei antes das 5h da manhã com o Chico, e fui para o sofá amamentar. De repente tudo começou a balançar!!! Durou uns 15 segundos, e foi bem “emocionante”! Não aconteceu nada em nenhuma parte do país dentro do alcance do terremoto, mas foi forte, depois vimos que teve 5,4 pontos na escala Richter! Felizmente o Japão é muito preparado para estes acontecimentos, especialmente Tóquio, onde vimos que terremotos são comuns. Uma experiência inesquecível, sem dúvida!

ACESSIBILIDADE E ESTRUTURA

Tóquio dispensa comentários a respeito de estrutura! Se tem uma cidade no mundo que gabarita este ponto, aqui estamos!

As calçadas são ótimas, limpas, com rampas de acesso e largas! Ótimas para andar com o carrinho! Usamos mais o sling, como sempre, mas o carrinho nos acompanhou algumas vezes – o sling para nós é o campeão absoluto no quesito praticidade!

Mercados e farmácias estão em todos os lados, encontrei diversas marcas conhecidas de fraldas e lencinhos aqui. Aliás, em relação à produtos para bebê aqui tem de tudo!

Meiji Shrine, o famoso santuário Xintoísta no meio deTóquio
Meiji Shrine, o famoso santuário Xintoísta no meio deTóquio

Existem muitos parques pela cidade, ótimos para os pequenos brincarem! E em todos os parques, santuários, e outros locais turísticos que fomos o banheiro era preparado para trocar bebês! Muito prático!

Mas como nem o país perfeito é perfeito, vale comentar duas coisinhas em relação à acessibilidade: o primeiro é que nem todas as passarelas das grandes avenidas ou das estações de metrô/trem tem elevador ou rampa, e algumas vezes tivemos que subir carregando o carrinho pelas escadas (por essas e outras usamos mais o sling!). O segundo ponto é que aqui não existe prioridade para pessoas com crianças de colo nas filas dos aeroportos ou estações de trem! Só conseguimos “prioridade” quando fomos cara de pau e pedimos! (Aliás, de todos os países que visitamos até agora, em nenhum existe uma lei tão clara quanto no Brasil de que pessoas com criança de colo tem prioridade em filas! Em alguns lugares, quando perguntávamos sobre isso, nos olhavam com cara de “prioridade porquê?”. Neste ponto podemos dizer que o Brasil está bem na frente!!)

TRANSPORTE

Japão é longe, muito longe!

Nosso vôo demorou 30 horas!! Fora o caminho até Guarulhos e as horas de espera para embarcar!

Check in no aeroporto de São Paulo, destino Tóquio!
Check in no aeroporto de São Paulo, destino Tóquio!

Viajamos pela Ethiopian Airlines, por uma super oferta que encontramos de passagem, com uma conexão em Adis Abeba (capital da Etiópia) e uma escala em Hong Kong.

Chegamos bem cedo para o check in, e no trecho São Paulo – Adis Abeba, que durou um pouco mais de 12 horas, conseguimos assentos na primeira fila da classe econômica, onde dá pra colocar um bercinho para o bebê. Isso foi ótimo, porque o Chico dormiu quase o trecho todo, e quando acordado ele ficou brincando no próprio berço ou mamando.

Chico brincando no bercinho do avião
Chico brincando no bercinho do avião

Esse ponto é bem importante em viagens longas! Alguns dias antes do vôo ligamos para a Ethiopian Airlines para solicitar a reserva dos assentos e do bercinho, e nos disseram que  era só chegar cedo para o check in e pedir direto no balcão. Deu certo, mas dependendo da companhia aérea precisa reservar antes! Recomendo muita atenção a isso, o bercinho realmente é importante e ajuda muito! Então, assim que tiver a passagem comprada ligue na empresa para se informar se é necessário fazer a reserva ou se é preciso chegar mais cedo no aeroporto!

Mais uma do Chico no bercinho
Mais uma do Chico no bercinho

A conexão na Etiópia foi rápida, e o vôo de Adis Abeda até Hong Kong, que duraria mais umas 11 horas, estava lotado! E como em Guarulhos não foi possível fazer a reserva de assentos para este segundo trecho, e nossos assentos eram bem no fundo, precisei pedir para a comissária tentar nos ajudar a trocar. E ela foi muito atenciosa, conseguiu um assento ótimo para mim, com bercinho na frente! E logo depois o cara do meu lado ainda trocou de lugar com o Rafa, e assim conseguimos mais esta longa parte do vôo com a família reunida e o bercinho!

Este trecho foi bem demorado, porque quase não dormimos (tínhamos dormido a noite quase inteira no primeiro trecho) e nossa tarefa era distrair o Chico! Ele mamou muito, o que o deixou muito calmo, mas ainda assim ele saía andando no avião de tempos em tempos… E aqui nos valemos de livro, revista do avião, brinquedinhos inventados com copinhos ou qualquer coisa disponível, Galinha Pintadinha no celular, filme na tela do avião… As comidinhas também ajudaram! Íamos passar 1,5 dias dentro do avião, e não podíamos depender das comidas servidas lá dentro, então levei potinhos com batata doce, grão de bico, várias bananas e biscoito de polvilho, tudo dentro de uma bolsa térmica!

A escala em Hong Kong foi rápida também, e de Hong Kong a Tóquio (5 horas) foi tranquilo, o avião estava bem vazio, então pegamos uma fileira inteira, e dormimos quase o percurso todo, porque estávamos bem cansados já.

E enfim chegamos!

Dentro do trem!
Dentro do trem! Papai também usa sling!!

E uma vez em Tóquio, só andamos a pé ou de trem! As linhas de metrô e trem aqui assustam no começo, porque parecem muito complexas, muito movimentadas e poucas pessoas falam inglês para te ajudar! Ensaiamos uns dias para ter “coragem” de andar de trem, mas depois que andamos pela primeira vez vimos que, apesar de ser gigante, é relativamente simples de entender e de se movimentar! E Tóquio tem um dos melhores e mais eficientes sistemas de transporte público do mundo!

Hachicko Entrance, Shibuya Station
Hachicko Entrance, Shibuya Station

A estação de trem Shibuya, que era a estação mais próxima do nosso apartamento, é uma atração a parte! É um dos lugares mais malucos que já vi!! Tem diversos níveis, muitas e muitas entradas e saídas, passarelas para todos os lados, trens subterrâneos e aéreos, 3 milhões de pessoas circulando diariamente, lojas super luxuosas, boulangeries e restaurantes espalhados por todos os lados, fica na frente do maior cruzamento de pessoas do mundo, e tem ainda a entrada do Hachiko, onde fica a famosa estátua do cachorrinho (do filme!). Imperdível!!!

PASSEIOS

Montamos todo nosso roteiro em Tóquio (e no Japão como um todo) usando basicamente o ótimo site japan-guide.com! Lá encontramos praticamente todas as informações que precisávamos!

Exploramos muito a pé o bairro em que estávamos hospedados, Shibuya. Este bairro é enorme, do tamanho de uma cidade, então tem muita coisa para ver! Muitas lojas, de tudo que se possa imaginar! De roupas a eletrônicos, do luxo ao popular, Shibuya é o paraíso do consumo!

Ruazinha tranquila em Shibuya
Ruazinha tranquila em Shibuya

E no meio da muvuca de suas grandes avenidas, encontramos ruazinhas super tranquilas, com lojinhas e cafés bem charmosos! Caminhar é o melhor jeito para se conhecer bem um lugar!

Ainda em Shibuya, a uns 25 minutos de caminhada a partir da Estação, fica o parque Yoyogi. Lindo, enorme, cheio de crianças, gente caminhando, correndo, brincando com seus cachorros (tem lugares específicos para os cachorros brincarem soltos, muito legal), uma delícia de lugar, o Chico aproveitou muito!! Super recomendado para levar bebês ou crianças de qualquer idade!

Ao lado do parque fica o famoso Meiji Shrine, um santuário xintoísta construído na década de 20 dentro de uma floresta enorme (700 mil m2). O lugar é lindo, principalmente o caminho no meio do bosque até chegar na construção propriamente dita.

Chico caminhando nas ruas em Harajuku
Chico caminhando nas ruas em Harajuku

Fomos caminhando também até Harajuku, uma região em Shibuya famosa pelas “Harajuku’s girls”, as adolescentes japonesas que se vestem de boneca.

As ruazinhas de Harajuku e em especial a Takeshita Street são voltadas para o público teen, que lota a região especialmente aos domingos, quando não tem aula. Muito comércio popular e alternativo misturado com restaurantes e lojas mais luxuosas.

E de trem, a partir da Shibuya Station, dá pra ir pra qualquer lugar! Conhecemos Akihabara, que é o paraíso dos eletrônicos, games e mangás (mais consumo na capital japonesa!), o Tsukuji Maket, o famoso mercado de peixes, Asakusa e seu templo Senso-ji, e ainda fizemos uma “day-trip” até Hakone para ver o Monte Fuji!!

Chico entrando no clima em Akihabara!
Chico entrando no clima em Akihabara!
Fuji-san!
Fuji-san!

Hakone é uma cidade perto de Tóquio, mas para chegar até o lago Achi, de onde é possível avistar o Fuji-san (forma respeitosa com que os japoneses se referem à montanha) demorou quase 3 horas só na ida! E como o tempo estava nublado não conseguimos vê-lo direito! Ou seja, Monte Fuji só vale a pena se você tiver certeza que o tempo estará aberto, o que é raro nesta região montanhosa do país.

Não fizemos nenhum passeio específico para crianças, mas Tóquio tem muitas opções para quem busca este tipo de programa. Tem até Disney a 15 minutos de trem do centro da cidade!

Chico brincando em uma das loja de Harajuku
Chico brincando em uma das loja de Harajuku
FUSO HORÁRIO

Tínhamos em mente que a adaptação ao fuso de 12 horas de diferença entre Brasil e Japão seria lenta… eu estava preocupada com isso antes de viajar, mas quando cheguei no Japão vi que não adiantaria ficar tensa, então resolvi relaxar e deixar nossos horários se ajustarem naturalmente.

Minhas únicas regras foram usar e abusar do sol, que é o melhor remédio para o corpo entender que a noite virou dia, e manter a rotina dos soninhos diurnos (um de manhã e um no começo da tarde). Para isso, saíamos de casa cedo para passear, e eu usava muito o sling para fazê-lo dormir na rua.

E assim aos poucos nossa rotina foi se reestabelecendo…

Na primeira noite o Chico até dormiu bem, pois estava muito cansado da viagem, mas a partir da segunda noite ele dormia no máximo as 19h, quando não as 18h, e acordava as 4h da manhã, elétrico, querendo brincar! E claro, no meio do dia morria de sono e era difícil segurá-lo acordado… Ficou neste “fuso intermediário” por quase 1 semana, melhorando um pouquinho por dia!

Até que no nosso oitavo dia na cidade ele finalmente dormiu das 20h até 6h da manhã, só acordando no meio da noite pra mamar, que é a rotina normal dele! Uma semana depois de chegar no Japão nossos horários finalmente entraram no eixo!!!

E PRA CONCLUIR…

Não se assuste com o vôo (mas vá preparado!). Não se assuste com o fato da cidade ter muita, mas muita gente. Não se assuste com o idioma!

Tóquio é sensacional, assim como o país todo! E excelente para se levar um bebê!! Vale muito a pena cruzar o planeta para conhecer essa cultura tão linda, tão única e tão diferente!

Para mais detalhes de nossa viagem a Tóquio, contamos tudo aqui!

Próxima parada: Kyoto!

5 comentários em “Tóquio com bebê”

  1. Parabéns, praticamente me senti na viagem com a descrição que você fez.
    Muito legal!
    Estou adorando ler todos os textos.
    E o Chico é muito lindo 🙂

  2. Oi! Adorei o blog de vocês! Realmente, não se encontra muita informação de viagens longas e internacionais de pais com bebês dessa idade (a idade do meu!). Simplesmente amei. Eu e meu marido amamos viajar, mas ainda não fizemos nenhuma viagem internacional com o Arthur. Achei sua dica do AirBnb preciosa!!! Viajamos pelo Brasil desde que o Arthur tem 4 meses, mas na maioria ficamos em casas de amigos. Parabéns pelo blog, o Chico é muito lindo mesmo! Vou acompanhar a partir de agora as aventuras. Um abraço!

  3. Parabéns pelo post!! Tenho planos de ir para o Japão com meu filho de 1ano e 4 meses!! Ter lido a experiência de vocês só me encorajou ainda mais!!!
    Beijos e parabéns pelo Chico!! Ele é uma fofura!!

Deixe uma resposta para Patrícia Cunha Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *